O impressivo Metal Cinemático de Dark Sarah

EU SEI. EU SEI. É TIPO O PRIMEIRO POST SOBRE METAL AQUI NO BLOG ONDE TEM 7278491721 OUTROS POSTS DE K-POP E OUTRO DE BRITNEY SPEARS, E VOCÊ ESTÁ TÃO SURPRESO QUANTO EU POR EU ESTAR FAZENDO ISSO AQUI.

Mas gente, serião, isso aqui é necessário. Eu tava até pensando em jogar isso no “O que eu estava ouvindo durante o hiato”, mas esse ato aqui merece ser devidamente bem tratado.

Resultado de imagem para dark sarah the puzzle
Vocês podem tirar onda a vontade dessa imagem, mas foi ela que me fez conhecer essa danada. Fiquei intrigado pela weirdness/low budget/beleza disso aí e fui atrás de saber sobre o que se tratava.

Estou falando de “Dark Sarah”, uma finlandesa banda de metal (estranho falar que é banda sendo que o nome dela é um nome próprio) que consiste da incrível vocalista Heidi Parviainen, e outros talentosíssimos senhoritos nos instrumentos cujos quais não sei o nome. risos

Aí vocês me perguntam: “Por que DIAXOS você está dando uma foda pra uma banda de metal? Você secretamente curte metal?”. E a resposta é: eu não sou o maior escutador de metal. Porém, eu não exclua nenhum gênero músical de uma possível ouvida por acreditar que qualquer um deles possa trazer algo de bom pra mim, por mais que eu tenha minhas preferências. E eu estou dando uma foda por que essa banda aqui em especial me chamou a atenção com o seu mais novo álbum, “The Puzzle”.

Sendo bem sincero, eu não sei exatamente até que ponto podemos falar que “The Puzzle” é um álbum de metal mesmo. Quer dizer, tem muitos elementos de metal em suas músicas, mas além deles também temos MUITOS outros que quase camuflam os anteriores. Daí surge o termo “Metal Cinemático” usado por Dark Sarah para definir sua música, termo esse que eu acho ser o melhor a definir tais músicas. E são esses elementos que falei aí que me chamaram a atenção, eles fazem toda a diferença e dão uma sonoridade única ao som do grupo.

Além disso, “Dark Sarah”, que tem 2 álbuns em seu catálogo, conta a história de ninguém mais ninguém menos que Dark Sarah em suas músicas. Ela é uma personagem fictícia aí que vive altas travessuras envolvendo ela ter sido deixada no altar pelo seu noivo e se tornando a SARAH TREVOSA QUE QUER SE VINGAR DO NOIVO MALDITO MWAHAHAHAHA (no primeiro álbum) e depois indo pro limbo por que alguma arvore mística quebrou a alma dela em pedaços (no segundo). Muito divertida a vida da Dark Sarah, ein?

Enfim, sem mais delongas, vamos para a música.

A começar por Little Men, a primeira música que eu ouvi deles. Numa primeira ouvida eu nem me importei tanto assim com ela, mas foi necessário só mais algumas outras para eu me enfeitiçar por completo por isso aqui.

Essa música é incrível. A parte boa mesmo começa quando o primeiro refrão chega e todos aqueles elementos que fazem isso aqui ser nomeado como “Metal Cinemático” surgem, é a partir daí que as coisas se tornam cada vez mais envolventes.

Toda essa beleza de instrumentos que soam quase saídos de um teatro ou de um filme que vocês ouvem aí é a grandiosidade do trabalho de Dark Sarah, dando um produto final altamente imersivo. E não precisa falar que essa música é incrivelmente boa, precisa?

Agora vocês acham que a grandiosidade disso aqui acaba na música só por se tratar de uma banda finlandesa que você nunca ouviu falar e que tem isso como arte do álbum? Pois dá uma olhada aí no clipe.

Ele é visualmente lindo demais, demais e demais. Todo o ambiente enfeitado com cores neônicas, com o fundo cheios de elementos que a gente encontra em obras de fantasia, a galera do vídeo com figurinos que combinam com a áurea do ambiente, os dançarinos fazendo um trabalho estupendo, as dancinhas da Dark Sarah que são amorzinho demais. Tudo aqui tá incrível.

Sem contar que toda a atmosfera que o vídeo impõe em quem assiste é exatamente aquela que a música propõe, sendo esse clipe um acompanhamento perfeito pra “Little Men”. Não sei como, mas o clipe consegue imergir a gente AINDA MAIS na música que já é muito imersiva. Sério gente, esse pacote completo aqui tá incrível. Foi, com toda a maior certeza, o melhor pacote ‘clipe + música’ do ANO. E também o melhor clipe do ano, vencendo todos os seus oppas e unnies que tem renda o suficiente pra fazer um filme se tiverem vontade e também vencendo os atos americanos que usam todo o seu dinheiro pra fazer a Britney Ooh.

Além da incrível “Little Men”, a gente ainda tem isso aqui. Por mais que o clipe não seja lá tão show quanto o anterior, a música ainda sai ganhando.

Em “Dance With The Dragon”, temos  uma sonoridade muito mais próxima de um “Metal” puro, o que só é contornado com o refrão/bridge que abrem espaço pra mais elementos cinemáticos. E nem por isso essa música aqui deixa de ser boa. Muito pelo contrário, ela é ótima e surpreende por ter um instrumental mais simples e mesmo assim conseguir ser muito boa. Mas não vamos ignorar que o refrão aqui é a melhor parte da música, sendo a responsável por deixar a música de pé, e que aquela bridge é belíssima.

E não levem a mal o que eu falei do clipe. Ele tem sim sua beleza e é muito bem feito, mas não tem tanto atrativo quanto o anterior que eu mostrei pra vocês. Então a música acaba sendo o prato principal disso aqui, prato esse muito bem servido.

E vocês acham que acaba por aqui? PFFFFFFFFFFF. Só vai começar quando vocês ouvirem essa última coisinha aqui:

Nossa gente. Só nossa.

Segura firme os primeiros versos da música. Eles soam fora de sincronia sim, mas aguenta esse comecinho que vai valer a pena.

Só há uma palavra que vem à mente capaz de definir essa música: épico.

De todas as anteriores que eu mostrei, é a mais atmosférica, a que mais traz imersão, e a mais incrível.

É uma montanha russa completa, formada de momentos mais intensos de guitarra que logo pulam pra algo mais brando e voltam à ser intensos, e depois fica brando, e depois o brando fica intenso também, e depois volta a ser brando, e TE DA ORGASMOS FORTES.

Todo esse zig-zag entre vocais lindamente calmantes + instrumental clássico e vocais agitados + instrumental metal resultou em algo fenomenal. E as coisas conseguem ficar melhores quando esses dois extremos se fundem pra dar o ORGASMO no ouvinte. A bridge disso aqui é incrivelmente linda.

Argh, gente, eu to meio astonished escrevendo isso enquanto ouço a música. É uma viagem de sensações, é uma aventura completa, é uma música épica, e isso é tudo o que eu consigo descrever, por mais que eu quisesse falar mais. Só o que me resta a dizer é: ouçam Aquarium e sintam ela por si próprios.


Quando eu digo que estou aberto para vários estilos musicais, é por isso aí. Quem diria que ver uma capa tosca, meio esquisita e ao mesmo tempo bonita; ficando curioso e indo atrás de saber do que ela se tratava iria me levar à conhecer essas músicas incríveis?

Por isso fica a minha dica: não se prendam a só um estilo musical, a só um cantor/cantora/grupo. Vocês vão estar perdendo muita coisa boa se permanecerem enclausurados em só um tipo de música.

Ah, e o “The Puzzle” já saiu. Estou no processo de ouvir ele e já estou gostando muito. Vocês podem ir ouvir ele no Spotify clicando nessa frase aqui, e isso é algo que recomendo muito.

Espero que vocês tenham curtido as músicas daí. Se vocês não gostaram da música de primeira, não parem só na primeira ouvida. Eu também não achei nada grandioso ouvindo só uma vez. De exemplo: Little Men me precisou umas 5 ouvidas até eu pegar a proposta da música, e quando eu peguei eu peguei goxtoso.

E comentem aqui, PELO AMOR DE DEUS, o que vocês acharam da Sarinha aí. Estou curiosíssimo. Não tenham vergonha de aparecer nos comentários, em? Pode comentar qualquer coisinha que eu já fico contente.

(a título de curiosidade, acabei esse post sem fôlego)

9 comentários em “O impressivo Metal Cinemático de Dark Sarah

      1. ORA ORA, PARECE QUE TEMOS UM PLÁGIO AQUI (e um xeroque rolmes também).
        Tanta música pra a dona Perry plagiar e ela pagia logo essa aí. Vo te dizer…
        Agora: seria você capaz de explicar seu comentário por que o espírito de peixes aqui tá forte o suficiente pra eu pedir o gabarito da piada.

        Curtir

      2. Antes da era Prism começar ela lançou um teaser todo gótico queimando a peruca do Teenage Dream

        Aí todo mundo esperava era dark gótica e o que houve foi Roar rs Agora a “era dark” virou meme

        Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s